Márcia Ramos
Fazer poesia é derramar amor sobre uma folha de papel em branco!
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Textos





Viagem de trem III

 

Quando pensei que já tivesse visto tudo nessa vida, percebi que estava enganada...
Saída do trabalho significa ‘correr’, afinal, quando não cai uma tempestade; os transformadores não explodem; os tiroteios entre policiais e bandidos não acontecem; os trilhos não são roubados e as vistorias não existem; normalmente, os trens chegam no horário!
Corri para a estação, pois o ‘direto’ passaria a qualquer momento.
O movimento estava tranquilo e pensei...
Acho que hoje aliviarei a tensão de mais um dia de trabalho com a leitura.
Apenas pensei...!
Como sempre, mesmo com os alto-falantes diariamente anunciando a compra de cento e vinte novos trens, chegou o ‘mais velho’ de todos!
Uma inusitada mudança de planos aconteceu...
O trem estava, podemos dizer, até vazio, mas o silêncio para a ‘tal’ leitura... Foi impossível!
Acredite se quiser...
Você já ouviu falar de ‘pagode de fundo de quintal’? Eu também já ouvi!
E ‘pagode de fundo de trem’? Com certeza, nunca, não é? Mas existe.
E eu, sem querer, participei de um!
Eram apenas seis integrantes, porém, quanta alegria!
Leve, livres e soltos... Pareciam em casa!
Com instrumentos ‘perfeitamente afinados’, tocavam e cantavam um vasto repertório.
O cavaquinho determinava a melodia, o surdo fazia a marcação, o pandeiro completava o ritmo e os três ‘vocalistas’ cantavam músicas do Exaltasamba, Arlindo Cruz, Diogo Nogueira, Belo, Beth Carvalho, das Escolas de samba e até músicas evangélicas!
Um dos vocalistas era só felicidade... Com o seu ‘sorriso aberto’, aliás, ‘bem aberto’, pois só existiam dois únicos e solitários dentes na boca, parecia estar no Sambódromo em noite de Desfile das Campeãs!
Mas verdade seja dita, não é que ele cantava bem!
O detalhe ficava por conta dos pés... A marcação (conforme ele mesmo falou para os amigos) era de três! Não me pergunte o que significa... Só sei que o negócio dava certo!
Quando entrei no trem, o vagão estava meio vazio, agora, estava ficando pequeno!
Os ambulantes (vendedores de pipocas, picolés, biscoitos, água, bebidas, doces e tudo o que a sua mente imaginar) começaram a aderir ao ritmo!
De repente, as vendedoras de ‘pele’ também se renderam ao samba e viraram as passistas do grupo.
Por mais que eu tentasse, não entendia ‘como’ alguém num trem em movimento, conseguia sambar daquele jeito!
A galera delirava! E eu, nem para os lados olhava!
Na altura do campeonato, a cerveja já rolava solta (mas todos bem comportados...)!
Afinal, samba está intimamente ligado a ‘loura’!
O batuque contagiava e os meus ‘dedinhos’, disfarçadamente, começaram a se empolgar...
Fiquei com medo!
Já imaginou, ‘euzinha’, toda ‘no salto’, mexendo as cadeiras no meio do trem? Que desacerto seria!
Com uma determinação descomunal, controlei-me e a vontade cessou.
As estações passavam e a chuva caía.
As águas lavavam as tristezas das perdas, dos sofrimentos e das decepções mundanas!
Naquele pequeno espaço, os passageiros puderam, por alguns minutos, esquecer os seus problemas e juntamente com aqueles seis amigos, compartilhar momentos de alegria e descontração.
Eles somente agradeciam a dádiva de mais um dia!
Às vezes, precisamos sair da rotina para observar e valorizar o mundo ao nosso redor.
Isso faz bem a mente, corpo e espírito.
Amei a viagem!
Agora, fica a simples mensagem...
“Enquanto houver alegria e alguém para irradiá-la, o samba, assim como a vida, jamais morrerá!”
 
 
 
 



http://www.marciaramos.recantodasletras.com.br/




Márcia Ramos
Enviado por Márcia Ramos em 28/04/2012
Alterado em 28/04/2012
Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários